Fila de espera agrava problema de vista de jovem mãe de Cambé

Mesmo percebendo constantes irritações nos olhos, só no começo do ano passado Joice Lopes Bueno, casada com Jeferson e mãe de Laís Vitória, de dois anos, procurou a Unidade Básica de Saúde da Vila Mesquita para ser encaminhada a um oftalmologista.

Até dezembro ainda estava na fila de espera. Mas uma inflamação no olho esquerdo, que em seguida atingiu também o olho direito, fez a família levar Joice para a Unidade de Pronto Atendimento, no Jardim Tupi, que a encaminhou para o Hospital dos Olhos de Londrina.

O especialista que a atendeu realizou alguns exames e não descartou a possibilidade de glaucoma, que sem o tratamento adequado pode progredir para a cegueira. O especialista, no entanto, explicou a Joice que mais exames teriam que ser feitos, para iniciar o tratamento.

Por isso, pediu à paciente que levasse o laudo assinado por ele, onde constaria sugestão de urgência, para que a Unidade Básica fizesse novo encaminhamento ao Hospital dos Olhos. O documento foi entregue e Joice e a família aguardam ansiosas pelo encaminhamento.

A visão de Joice piora dia a dia. O próprio especialista do Hospitalon, segundo ela, teria alertado que pelos exames iniciais havia o risco do olho esquerdo ter sido comprometido pela doença. Na varanda da casa onde mora, na Rua Angelo Rigoni Bertan, 1.173, Jardim Vitória, Joice tem dificuldade de enxergar o portão de grade, a menos de quatro metros.

“Quanto eu sai da sala para atender vocês, a claridade do sol causou irritação, começou a doer e eu não enxerguei mais nada”, disse à reportagem. “Eu tenho medo que a minha filha saia na rua com a minha neta, com ela não conseguindo enxergar quase nada”, desespera-se Vera Lucia Lopes. “Mas no atendimento dizem para a minha filha tem que esperar. E a situação dela é de risco de perder a visão”, lamenta.

Na tarde de quinta-feira, Vera estava disposta a procurar a Unidade Básica de Saúde e, se fosse o caso, a Secretaria Municipal de Saúde para pedir que fosse agilizado o encaminhamento da filha ao Hospitalon. Jeferson, o marido de Joice, trabalha no comércio em Cambé. Apesar do risco de sair às ruas Joice tem afazeres a cumprir e arrisca-se com a filha Laís.

VEJA MATÉRIA COMPLETA NA EDIÇÃO IMPRESSA DO JORNAL NOSSA CIDADE DO DIA 12/01/2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: