Planta Murta continua fazendo estragos em Cambé

murta

Planta conhecida como Murta

O morador do Jardim Casa Grande Januário Daléssio, de 68 anos, está inconformado. Pela quarta vez ele precisou erradicar suas plantas cítricas que cultivava no pequeno quintal de sua residência. Ele afirmou que quando começam a produzir, uma doença causa o amarelamento das folhas até secar as árvores.

Daléssio atribui a culpa à planta chamada Murta. “Os vizinhos falam que essas árvores, que são comuns em frente às residências, é a causadora da doença. Gostaria que o pessoal da Prefeitura verificasse essa questão e se for verdade o que dizem, deveriam ser cortadas”, disse.

PLANTA ESTÁ PROIBIDA NO PARANÁ – Apesar da existência de leis estadual e municipal em vigor, a erradicação da planta Murta em Cambé ainda não saiu do papel. Ou melhor, saiu sim, somente para a promoção de uma solenidade que reuniu dezenas de autoridades em frente ao Lar Infantil Marília Barbosa, para anunciar um programa de corte da planta e substituição com o plantio de outras espécies. Isso aconteceu em julho de 2014.

Naquele local, após os discursos, cinco plantas foram cortadas e o programa que foi amplamente divulgado pela imprensa não teve mais prosseguimento. Em bairros com populações mais privilegiadas, alguns moradores contrataram serviços de terceiros para erradicar a Murta.

Enquanto isso, na maioria das localidades, a comunidade reclama de ver em seus quintais as plantas cítricas serem dizimadas em consequencia da disseminação de uma bactéria produzida por um inseto, cuja planta é a principal hospedeira.

Na região do Jardim Tupi, alguns trechos de ruas são tomados pela planta nas calçadas dos dois lados. E não são apenas as pessoas da cidade que sofrem com a disseminação de suas plantas cítricas. No Município existem diversos produtores em escala comercial que estão sendo obrigados a acabar com seus pomares.

Em Cambé, um projeto de lei foi apresentado na Câmara, estabelecendo prazos para que a Prefeitura efetivasse um plano de erradicação. Porém, uma emenda ao projeto suprimiu esses prazos, que eram de seis meses para toda a cidade e de dois meses em terrenos públicos.

Mesmo assim, o programa de erradicação foi implantado e até agora só serviu para atrair os holofotes da imprensa, pois nunca mais foi retomado.

COMPARTILHE ESTÁ NOTÍCIA.

Uma resposta para “Planta Murta continua fazendo estragos em Cambé”

  1. Cleiton Gimenes disse:

    Agora que a Vereadora Estela perdeu a eleição, bem que ela poderia pegar um facão e erradicar todas as árvores nocivas à agricultura. O Projeto que ela emendou e acabou com a obrigatoriedade e com o prazo para que essa erradicação fosse feita, MATOU o projeto !
    Cambé merece !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: